Empresária morta em Fortaleza sofreu 'impacto físico' do namorado antes de ser baleada, aponta laudo

O advogado Aldemir Pessoa Júnior é suspeito de matar a namorada, Jamile Correia — Foto: Arquivo pessoal

Jamile de Oliveira foi morta com tiro em agosto de 2019. Polícia investiga se ocorreu suicídio ou homicídio.

Exames feitos pela Perícia Forense do Ceará (Pefoce) de um vídeo gravado no dia da morte da empresária Jamile de Oliveira Correia apontaram que o advogado Aldemir Pessoa Júnior, suspeito de envolvimento no caso, fez um movimento brusco com o braço contra a namorada, dentro de um veículo, no momento em que o casal chegava ao condomínio da mulher.

As imagens foram registradas por câmeras de segurança minutos antes de a empresária ser atingida por um tiro no peito, no apartamento onde morava, em Fortaleza.

A Pefoce concluiu, na segunda-feira (3), a análise sobre o vídeo, que pode ser visto abaixo. O perito responsável pelo laudo descreve que "é possível inferir que ocorre, entre toda a movimentação observada no interior do veículo, um instante no qual há uma extensão mais brusca do braço direito do motorista, que ocasiona um impacto físico aproximadamente à altura da linha do ombro do caroneiro, causando um deslocamento do terço médio do corpo deste, constatado por saída de inércia do terço superior nas imagens".

Caso Jamile: o que se sabe e o que falta saber

O episódio dentro do veículo aconteceu na noite de 29 de agosto de 2019, em um condomínio do Bairro Meireles, na capital cearense. Nos primeiros minutos do dia 30 de agosto, Jamile foi atingida com um tiro. A mulher foi levada por Aldemir ao Instituto Doutor José Frota (IJF) e morreu no dia seguinte. O caso foi, inicialmente, tratado como suicídio, mas a investigação da Polícia Civil indicou a suspeita de feminicídio cometido pelo advogado. Procurado pelo G1 por telefone, o advogado, que é investigado em liberdade, disse que irá se pronunciar em momento oportuno.

Conforme o laudo, "não é possível afirmar – unicamente através da análise desta gravação em vídeo – o exato ponto onde o motorista do veículo atinge com o término deste movimento". A análise foi dificultada devido à baixa qualidade técnica do vídeo e ao fumê do carro, mas a Perícia contou com auxílio de programas de computação para chegar à conclusão.

Outro perito criminal, que foi ouvido pelo G1 e preferiu não se identificar, explicou que o laudo aponta para uma aparente agressão cometida pelo motorista (no caso, Aldemir) contra o passageiro (Jamile).

Reviravolta nas investigações

O vídeo que mostra o casal dentro do veículo foi o que iniciou as suspeitas de que a morte de Jamile se trataria de feminicídio. O advogado Aldemir Pessoa Júnior, apontado como suspeito de participação no caso, defende que a empresária teria se suicidado. Outro vídeo gravado por câmeras de segurança mostra Aldemir e o filho adolescente de Jamile carregando a empresária baleada no elevador do edifício onde a mulher morava

A bala que atingiu a empresária saiu da pistola Taurus de modelo PT 938, pertencente a Aldemir, conforme constatou a perícia da arma. No entanto, o resultado do laudo pericial sobre a simulação do dia da morte de Jamile, divulgado no dia 28 de janeiro deste ano, não determinou quem foi o autor do disparo que atingiu a mulher.

A família da empresária acredita que o namorado tinha interesse na herança da vítima. Semanas antes de morrer, Jamile havia assinado uma procuração autorizando Aldemir a administrar a herança que ela havia recebido do marido, morto em um acidente de trânsito em 2017.

Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+