Volta de Marília Mendonça tem shows lotados, voz falhando e 'nervosismo por reencontro'

                Marília Mendonça volta aos palcos após licença-maternidade — Foto: Divulgação

Após sofrer com gripe, cantora ficou sem voz depois de duas apresentações em São Paulo com ingressos esgotados. Licença-maternidade da rainha da sofrência durou três meses.

Marília Mendonça anunciou uma pausa na carreira em 1 de dezembro de 2019, quando estava na reta final da gestação. Quinze dias depois, deu à luz seu primeiro filho, Léo, de sua relação com o cantor e compositor Murilo Huff. Antes de completar três meses de licença-maternidade, já estava de volta aos palcos, seguindo plano já anunciado.

O retorno da rainha da sofrência aos palcos veio em uma fase "bem feliz e bem resolvida", como ela definiu na entrevista coletiva antes do primeiro show.

"Mães começam a se cobrar desde que descobrem que estão grávidas. Que não dá conta, que está indo trabalhar, está deixando o filho. E eu me sinto muito feliz por querer estar aqui agora. Não estou sofrendo. Pode ter certeza que vou dar muito mais valor a tudo que eu vivo, ao meu trabalho, sabendo que tenho uma 'vidinha' para cuidar", disse Marília.

Dois dias antes de subir ao palco do Espaço das Américas, em São Paulo, a cantora goiana de 24 anos relatou que estava gripada:

"Peguei uma gripe, mas já estou despegando dela já, a gente já está terminando nosso relacionamento, estou tomando antibiótico e tudo mais."

Faltou voz, sobrou empolgação dos fãs Mesmo em tratamento, o problema de saúde atrapalhou o desempenho da voz nos palcos. A saudade por parte do público, que esgotou os ingressos, parecia ser grande. Os fãs gritaram coros como "Marília, eu te amo" e "seja bem-vinda de volta, rainha".

Mas o fato é que Marília não conseguiu colocar todo seu talento vocal em prática. Na sexta-feira (6), dia de seu primeiro show, ela sofreu um pouco ao cantar uma de suas músicas mais recentes.

"Tentativas" foi lançada ainda no período de licença-maternidade. Na versão original, o fôlego e a potência de sempre impressionam. No palco, a voz falhou. Marília, sempre sincera, não escondeu suas limitações.

No dia seguinte, contou o que havia acontecido para o novo público presente. Esses fãs, provavelmente, nem sabiam o que havia acontecido na noite anterior.

"Minha voz travou na sexta. É o nervosismo do primeiro encontro, do reencontro", brincou, antes de convocar o público para cantar com ela. "Sei que quanto minha voz falhar, vou ter a de vocês pra cantar comigo", disse Marília, deixando os fãs puxarem a abertura da música.

Ao final, agradeceu: "Obrigada, Deus, por me mostrar a cura, estava na minha frente". 0 músicas Em quase duas horas de show, Marília cantou mais de 30 músicas. Todas as que se tornaram hits estavam lá, incluindo as do início da carreira.

O repertório também teve canções de outros artistas, como "Contatinho" (Anitta e Leo Santana), "Meu Abrigo" (Melim) e "Não me conte seus problemas" (Ivete Sangalo).




O único respiro de Marília no palco foi o momento que chamou seus vocais de apoio para cantarem três funks: "Invocada", "Combatchy" e "Sentadão". Há também uma pausa para tirar o salto alto e ficar mais confortável no palco.

Sem café, com nebulizador

Entre as duas apresentações de retorno, Marília passou o final de semana todo usando um nebulizador para cuidar da voz. Também ficou longe do café, vilão no cuidado de sua saúde vocal.

Para poupar a voz, ainda cancelou uma entrevista que faria com G1 antes do programa "Domingão do Faustão", pois estava afônica, segundo informou sua assessoria de imprensa.

Depois de toda maratona, Marília seguiu de São Paulo para Goiânia. "Nesse Dia das Mulheres, fiz duas coisas que amo: trabalhei e senti o cheiro dos céus do meu filho. Obrigada, Deus! Sim, eu sou a mulher mais feliz do mundo!", escreveu no Twitter.

Nos próximos dias, Marília faz mais shows. Mas a agenda é bem mais enxuta: no total, são mais seis apresentações no resto de março.



O baixo número de shows pode ter a ver com a maternidade e também com o desabafo da cantora em sua despedida pré-pausa.

Marília afirmou que a rotina de viagens, entre outras coisas, "adoeceu, cansou, fez chorar, feriu, levou pro céu e jogou no chão muitas vezes".

Durante coletiva de imprensa, a cantora relatou que pretende diminuir a agenda. Mas este ano, mantem a programação normal. Em 2019, a cantora fez cerca de 15 shows por mês.

Dúvidas

Em abril, Marília tem uma turnê internacional com shows em Bruxelas, Londres, Porto e Lisboa. As apresentações foram remarcadas. Seriam em dezembro de 2019, mas foram adiadas por recomendação médica.

Não se sabe ainda se Marília vai entrar na lista dos artistas que cancelaram apresentações devido ao coronavírus. Questionada, a assessoria de imprensa não informou se haverá alteração na agenda. Nos sites das casas de shows, os ingressos seguem à venda.

Não se sabe também se Marília levará o filho para a turnê internacional. Em suas primeiras apresentações, ela optou por deixar Léo em casa com a avó dele.

"Não vou levar o Léo pra viajar. Tinha planejado que sim, mas decidi não tirar ele do ambiente dele agora. Meu amor por ele vai além do egoísmo de querê-lo perto", justificara.

Canções para Leozinho

Nos shows, Leozinho, como Marília o chama, é citado inúmeras vezes. Incluindo na abertura da música "Serenata". Ela comentou que vai sempre cantá-la em homenagem ao pequeno.

Foi para ele, também, que Marília compôs uma das poucas músicas recentes escritas e gravadas por ela. Ao G1, ela já havia explicado que havia parado de compor para evitar fofocas.

Apesar disso, Marília não pretende mudar o tema de suas músicas nem deixar a sofrência de lado.

"Sempre soube separar bastante as duas coisas. Conheço meu mercado e conheço meu gado, como diz a música de Henrique e Juliano. É o meu trabalho. Sei o que escuto dentro de casa e sei o que o público quer escutar. É saber dividir isso sem mudar sua essência. Fazer o que eu gosto, mas fazer comercialmente."

Fonte: G1
Compartilhar no G+