Aumenta para 9 número de mortes pelo novo coronavírus no Ceará; 445 casos da Covid-19 são confirmados


As informações são do informe epidemiológico da Secretaria da Saúde (Sesa) desta quarta-feira.

O Ceará registra nove mortes pelo novo coronavírus até a noite deste quarta-feira (1º), conforme informe epidemiológico da Secretaria da Saúde (Sesa). Além disso, estão confirmados 445 casos de infectados no estado.

Seis dos óbitos estão em Fortaleza, um no Eusébio, município da Região Metropolitana, além de um em Santa Quitéria e um em Tianguá, no interior do estado.

Os casos confirmados estão divididos em 15 municípios cearenses. Fortaleza concentra 413 das detecções. Em seguida, Aquiraz aparece com 14 casos, enquanto Sobral tem cinco, e Quixadá tem dois. Beberibe, Caucaia, Eusébio, Fortim, Itaitinga, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape, Mauriti, Santa Quitéria e Tianguá têm um caso cada.

Pela manhã, Camilo tinha informado que o governo avalia decretar estado de calamidade pública na saúde do Ceará em razão da pandemia do novo coronavírus. Atualmente, o Ceará encontra-se em estado de emergência por causa da doença.

"Tanto a Procuradoria-Geral do Estado como a nossa equipe econômica estão avaliando a questão da gente enviar pra Assembleia (Legislativa) uma lei transformando o Ceará em estado de calamidade Pública", declarou o chefe do executivo estadual.

Camilo ainda ressaltou que, desde quando foram registrados os primeiros casos de pacientes infectados pelo vírus, o Estado "decretou Estado de Emergência em Saúde, e é o que está valendo, através do decreto".

Nesta terça-feira (31), o governador anunciou a prorrogação por 30 dias do prazo de suspensão de aulas presenciais em escolas e universidades públicas e particulares, já que o prazo do cancelamento anterior termina nesta quarta-feira (1º). Portanto, com a prorrogação de mais 30 dias, as aulas voltam em 4 de maio.

A rede particular pode aproveitar esse período para férias ou adotar aulas remotas. Nas escolas públicas, não haverá férias, e sim, aulas a distância, de acordo com a Secretaria da Educação (Seduc).

Outra medida anunciada pelo chefe do executivo estadual foi a criação de uma "Linha Verde de Logística e Distribuição" no estado, situada às margens de rodovias estaduais e federais onde será permitida a abertura de comércio e serviços essenciais para dar suporte ao transporte de carga destinado ao abastecimento da população.

Dessa forma, estabelecimentos como restaurantes, postos e oficinas localizados em trechos às margens de rodovias que cortam o Ceará vão poder funcionar normalmente, já que dão assistência aos caminhoneiros que permanecem circulando nas estradas para garantir o abastecimento das cidades

Decreto de fechamento

O decreto do governo estadual válido até o dia 5 de abril que proíbe o funcionamento de diversos comércios e estabelecimentos inclui:

Bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;

Templos, igrejas e demais instituições religiosas;

Museus, cinemas e outros equipamentos culturais, público e privado;

Academias, clubes, centros de ginástica e estabelecimentos similares;

Lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou prestem serviços de natureza privada;

“Shopping center”, galeria/centro comercial e estabelecimentos congêneres, salvo quanto a supermercados, farmácias e locais que prestem Serviços de saúde no interior dos referidos dos estabelecimentos;

Feiras e exposições;

Indústrias, excetuadas as dos ramos farmacêutico, alimentício, de bebidas, produtos hospitalares ou laboratoriais, obras públicas, alto forno, gás, energia, água, mineral, produtos de limpeza e higiene pessoal, bem como respectivos fornecedores e distribuidores.

O governador disse que tomou a decisão de prorrogar o decreto de fechamento do comércio e serviços após várias reuniões com áreas técnicas do governo e setor produtivo. "Eu, após todas essas reuniões, ouvindo, sei que é importante a preocupação do setor produtivo com a economia, negócios, essa preocupação é nossa também mas nesse momento o que deve prevalecer, e não tenho dúvida que estou tomando a decisão que considero mais correta nesse momento, é proteger o cearense", disse Camilo.

Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+