Governo Federal reconhece estado de calamidade pública no Ceará por causa do coronavírus

   Ceará é um dos estados com maior número de casos de Covid-19 — Foto: Camila Lima/SVM

Além do Ceará, o governo também reconheceu o estado de calamidade pública nos estados de Sergipe, Mato Grosso, Paraíba e Rio Grande do Norte.

O Governo Federal reconheceu o estado de calamidade pública em todo estado do Ceará devido à pandemia de coronavírus. A medida foi publicada em uma portaria no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (30), por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Além do Ceará, o governo também reconheceu o estado de calamidade pública na Paraíba nesta quinta-feira.

A situação já havia sido reconhecida pela União no Rio Grande do Norte, no último dia 24; em Mato Grosso, no dia 8 de abril; Sergipe, em 13 de abril; e na cidade de Porto Alegre (RS), no dia 7 deste mês.

A Assembleia Legislativa do Ceará já havia aprovado o projeto de decreto legislativo que reconhece o estado de calamidade pública no Ceará até dia 31 de dezembro de 2020.

Esta medida, enviada pelo governador Camilo Santana, foi aprovada no dia 3 de abril para ajudar no enfrentamento ao coronavírus no território cearense. Com isso, o estado ficou desobrigado a cumprir as metas fiscais para custear ações de combate à pandemia.

O Ceará ultrapassou a marca dos sete mil casos de Covid-19. O estado também já soma 450 óbitos em decorrência do novo coronavírus (SARS-CoV-2), conforme a plataforma IntegraSUS, atualizada às 17h18 desta quarta-feira (29).

Fortaleza, epicentro da contaminação pelo vírus no estado, registra 5.712 casos confirmados de infecção e 349 mortes em decorrência da Covid-19. Contudo, dos 46 municípios que registraram óbitos por Covid-19 até esta quarta-feira (29), 36 apresentavam taxa de letalidade maior que a capital cearense.

Testes para Covid-19

O Ministério da Saúde informou que destinaria 186 mil testes rápidos ao Ceará, em cinco lotes, para auxiliar na triagem dos casos. No entanto, de acordo com Rilson Andrade, há municípios que receberam apenas uma remessa. “Alguns também se dispuseram a comprar esses testes, mas infelizmente não encontram ou enfrentam preços abusivos, acima das condições de pagar”, conta.

Uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (EMAp/FGV) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontou que 170 cidades do Ceará são socialmente vulneráveis aos impactos do novo coronavírus na saúde. Desse total, 20 estavam no grupo com os piores indicadores de educação, além de acesso precário à água tratada, disposição do esgoto e eletricidade.




Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+