Idosa de 90 anos tem alta após 6 dias internada com suspeita de Covid-19 em Fortaleza

  Cearense recebeu alta hospitalar e deve continuar o tratamento em casa — Foto: Arquivo Pessoal

Idosa segue sob cuidados da família, pois está no grupo de risco por múltiplos fatores, como idade, hipertensão e diabetes.

Internada desde o dia 8 de abril com suspeita de Covid-19, a aposentada Albanisa Domingos de Sousa Rebouças, de 90 anos, recebeu alta hospitalar na terça-feira (14), para concluir a recuperação isolada em casa, no Bairro Bom Sucesso, em Fortaleza. Durante internação na rede particular, médicos ministraram um coquetel de medicamentos para idosa, dentre eles a cloroquina, remédio recentemente incluído no tratamento da doença.

Por apresentar sintomas suspeitos de infecção por novo coronavírus, Albanisa Domingos foi testada, mas o resultado do exame ainda não foi disponibilizado. A idosa segue sob cuidados da família, pois está no grupo de risco por múltiplos fatores, como idade, hipertensão e diabetes.

Os primeiros sintomas iniciaram há nove dias e logo se agravaram, relata Ana Cristina Rebouças, 49, filha da paciente. Depois de apresentar febre, ela foi internada.

“Ela já tava apresentando uma tosse insistente, logo liguei para o médico vir fazer uma avaliação domiciliar, e ele disse que era uma alergia. Logo que ele saiu, a mãe vomitou tanto que desmaiou”, relembra.

“Primeiro foi na ala comum, mas fez exames que acusaram o comprometimento do pulmão e os médicos transferiram-na para a ala da Covid-19".

Por também apresentar sintomas da Covid-19, Ana conta que precisou ir para casa, seguindo as orientações da equipe hospitalar. Em seguida, Glaucia Rebouças, 55, assumiu o posto e cuidou da mãe internada. “Foi muito angustiante tanto pela contaminação quanto pelo nosso pai, que tem 92 anos e não podia vê-la. Eles têm 62 anos de casados, é muito difícil”, disse Glaucia.

Sintomas na família

Segundo Ana, a filha que mora com dona Albanisa, “eu, meu pai e meu filho já tínhamos apresentado alguns sintomas, como tosse e cansaço, antes da minha mãe. Cheguei a levar meu pai ao hospital por causa de um derrame, mas a mãe foi a que teve a piora. Hoje meu pai está bem, isolado na casa da Glaucia”.

A única a fazer o teste para Covid-19 foi Albaniza, apesar dos sintomas no restante da família. “Antes de voltar pra casa, passei em outro hospital para me consultar.Chegando lá, fui informada que apenas os pacientes internados ou agentes da saúde poderiam fazer o exame e, mesmo sendo técnica de enfermagem, não consegui fazer”, explica Ana.

Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+