Bolsonaro admite que falou 'PF' na reunião e que 'interferência' visou a segurança familiar


No início da semana, presidente disse que não havia mencionado as palavras 'Polícia Federal' na reunião. Ele defendeu que vídeo seja divulgado para que seja feita a 'análise correta' da frase.

O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta sexta-feira (15) que falou a palavra "PF" na reunião ministerial do dia 22 de abril. Ele ressaltou, no entanto, que se posicionou para interferir em assuntos de segurança física de sua família, e não em temas de inteligência e investigações dentro da corporação.

No início da semana, Bolsonaro havia dito que não mencionou o termo "Polícia Federal" durante a reunião. O encontro ministerial é alvo de inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar denúncias do ex-ministro Sergio Moro de que Bolsonaro tenta interferir politicamente na PF.

Na saída do Palácio da Alvorada, jornalistas questionaram Bolsonaro sobre a palavra "PF" ter aparecido na transcrição da AGU, contrariando a versão do presidente para a reunião.

"Está a palavra PF, duas letras: PF", respondeu o presidente.

Diante de novas perguntas sobre o tema, Bolsonaro disse que quer que as falas dele no vídeo sejam divulgadas, para que seja feita a interpretação "correta" sobre a reunião.

"Eu espero que a fita se torne pública, para que a análise correta venha a ser feita. A interferência não é nesse contexto da inteligência, não. É na segurança familiar. É bem claro", afirmou o presidente.

Quando um repórter tentou questionar se o ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) se negou a fazer mudança na segurança – já que o presidente alegou que ameaçou demitir o chefe da sua segurança e não o chefe da PF –, Bolsonaro interrompeu o repórter por duas vezes e terminou a entrevista.

Cabe ao GSI fazer a segurança do presidente e familiares, e não à Polícia Federal.

Na transcrição do vídeo da reunião, entregue pela AGU, Bolsonaro afirmou que tentou trocar “gente da segurança nossa no Rio”, mas sem sucesso. A transcrição mostra que Bolsonaro disse que, se não conseguisse realizar a mudança, demitira o ministro – a transcrição não cita Heleno ou Moro.

“Eu não vou esperar f. minha família toda de sacanagem, ou amigo meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence à estrutura. Vai trocar. Se não puder trocar, troca o chefe dele. Se não puder trocar o chefe. Troca o ministro. E ponto final. Não estamos aqui para brincadeira (...)", diz trecho da transcrição.


Divulgação do vídeo

O relator do caso, ministro Celso de Mello, vai decidir nos próximos dias se torna público o inteiro teor do vídeo.Nesta quinta (14), a Advocacia-Geral da União divulgou a transcrição parcial da reunião, em que aparece o presidente falando "PF". Bolsonaro reconheceu que o texto divulgado pela AGU corresponde à realidade.

Bolsonaro defendeu que não sejam mostradas as partes em que ele fala sobre "questões que têm a ver com política externa e segurança nacional".


Trecho divulgado pela AGU

Apesar de Bolsonaro afirmar que falou apenas de segurança familiar, a manifestação da AGU entregue ao STF mostra o presidente reclamando da falta de informações da PF e declarando que iria "interferir". A declaração transcrita parcialmente pelo governo, no entanto, não deixa claro como ele faria isso.

"E me desculpe o serviço de informação nosso, todos, é uma vergonha, uma vergonha, que eu não sou informado, e não dá para trabalhar assim, fica difícil. Por isso, vou interferir. Ponto final. Não é ameaça, não é extrapolação da minha parte. É uma verdade”, diz trecho da transcrição entregue pela AGU.


Negativas anteriores

No início da semana, Bolsonaro disse na rampa do Palácio do Planalto que ele não falava as palavras "Polícia Federal" na reunião.

"Esse vazador está prestando desserviço. Não existe no vídeo a palavra 'Polícia Federal' nem 'superintendência'. Não existem as palavras 'superintendente' nem 'Polícia Federal'", afirmou o presidente na ocasião.

Depois, em depoimentos no inquérito, os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) disseram que Bolsonaro havia se referido à PF na reunião. Comentando especificamente o depoimento de Ramos, Bolsonaro afirmou que o ministro se "equivocou".


Entenda a importância do vídeo

A reunião que está gravada no referido vídeo foi citada em depoimento por Sergio Moro no contexto do inquérito que investiga a suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. Na reunião, o presidente teria exigido a troca do superintendente da PF no Rio de Janeiro, a fim de evitar investigação sobre familiares dele.

O vídeo está sob sigilo desde que chegou ao STF, na sexta-feira (8) e já foi exibido em uma única sessão, reservada a investigadores e procuradores da República, além do proprio Sergio Moro e da Advocacia-Geral da União. Fontes que acompanharam a exibição informaram que a gravação mostra Bolsonaro usando palavrões e fazendo ameaças de demissão em defesa da troca no comando da PF no Rio de Janeiro.

Fonte: G1
Compartilhar no G+