Cearenses desenvolvem novo teste para Covid-19 com previsão de diagnóstico em até 50 minutos


Pesquisa é realizada por professores da Universidade Federal do Ceará em parceria com a Universidade de São Paulo.

Novo teste da Covid-19 é realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) juntamente com a Universidade de São Paulo (USP). O método, baseado em tecnologia japonesa, utiliza a genética do vírus para confirmar o diagnóstico da Covid-19. Sendo mais simples, prático e rápido, é capaz de rastrear a presença de fragmentos do material genético do vírus em até 50 minutos.

A proposta, em desenvolvimento há quase um mês, aguarda validação efetiva do método por parte da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), conforme aponta o professor do Departamento de Fisiologia e Farmacologia, da Faculdade de Medicina (FAMED) da UFC, Alexandre Havt Bindá.

“A gente já fez alguns testes, que já estão funcionando. Dependendo da metodologia que você usa, pode até visualizar o resultado a olho nu”, compartilha o pesquisador.

De acordo com Alexandre, a quantidade de testes pode variar dependendo da possibilidade de cada laboratório. Na UFC, por exemplo, as pesquisas são realizadas em blocos, com 96 poços.

Esse mesmo teste está sendo empregado pelo Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com valor de custo de R$ 94. O professor afirma que a pesquisa busca baratear o custo, mas antes será preciso validar a amostra. “Apesar de terem validado em São Paulo precisa ser validada no local onde vai ser executada”, acrescenta.

Testes

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), são utilizados dois testes para identificação da doença no Brasil. Os testes rápidos (IgM/IgG) apontam a presença de anticorpos no sangue, podendo mapear a população já contaminada, enquanto o RT-PCR (Reverse Transcription - Polymerase Chain Reaction) verifica a presença de material genético do vírus, confirmando se a pessoa se encontra com Covid-19.

A nova pesquisa, por sua vez, se propõe a realizar o rastreio genético do vírus. Conforme o pesquisador, o teste pode ser realizado com uma temperatura regular entre 60 °C a 70 ºC, executado em qualquer ambiente que tenha um pequeno material de laboratório, e a leitura do diagnóstico pode ser realizada de modo mais simples.

“Aqui na UFC estamos tentando trabalhar nas duas vertentes, tanto testar novas drogas ou direcionamento de drogas, como também de desenvolver essas tecnologias de diagnóstico mais rápido”, explica Alexandre.

Parceria

A parceria entre UFC e USP de Ribeirão Preto ocorre principalmente através do professor e virologista Eurico Arruda Neto. Na UFC, a equipe da pesquisa é liderada pelos professores Aldo Lima e Alexandre Havt, com participação dos docentes Armênio Santos, Pedro Magalhães, Marcellus Souza, Miguel Souza e Roberto da Justa.

No Hospital São José, em Fortaleza, há participação dos médicos Érico Arruda e Melissa Medeiros. Enquanto, do Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (Lacen-CE), atuam as farmacêuticas Liana Perdigão, Vânia Viana e Karene Cavalcante.

Avanço da doença no Ceará

Quase cinco mil pessoas morreram no Ceará em decorrência da Covid-19. Até as 14h32 desta segunda, horário da última atualização da plataforma IntegraSUS, um total de 4.999 óbitos foram registrados no estado, assim como 79.462 casos de infecção pelo novo coronavírus.

Depois de Fortaleza, os municípios que somam as maiores quantidades de casos confirmados são Sobral, que ultrapassou hoje os 4 mil casos (4.013), Caucaia (2.997) e Maracanaú (2.763).

Sobral, na região norte, ainda confirmou 172 mortes pela doença e está em regime de lockdown, junto com outras três cidades da Região Norte. Caucaia e Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza, já registraram 230 e 183 óbitos, respectivamente.

A taxa de letalidade do Sars-Cov-2 no Estado, que indica a proporção de mortes em relação ao total de casos, está em 6,3%. Ao todo, 58.483 pessoas já se recuperaram da doença no Ceará.

O IntegraSUS aponta que há ainda 53.930 casos suspeitos, em investigação. Já foram realizados 183.840 testes em todo o estado.

Os números apresentados pela Secretaria da Saúde são atualizados permanentemente e fazem referência à disponibilidade dos resultados dos testes para detectar a presença dos vírus, ou seja, não necessariamente correspondem à data da morte ou do início da apresentação dos sintomas pelo paciente.

Fonte: G1
Compartilhar no G+